A marmita é uma ótima opção para quem quer economia e praticidade, não é mesmo? Além de garantir uma refeição saudável para você enquanto está fora, ela também é segura. Afinal, ao preparar uma refeição caseira, você sabe também a procedência dos alimentos. Mas e quando o assunto é o recipiente, você sabe qual a melhor opção?

Os mais comuns para levar a marmita são os potes de plástico e de vidro. No entanto, esses recipientes merecem a sua atenção! De acordo com a nutricionista Solange Schenfeld, o ideal é priorizar as que são feitas de vidro, pois os potes de plástico podem conter substâncias tóxicas que fazem mal à saúde.

“Muitas pessoas utilizam vasilhas de plástico, mas o pote de vidro é muito melhor, considerando os aspectos de higienização, facilidade e sustentabilidade”, afirma a profissional que atua em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) gerenciada pelo Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (CEJAM).

Outra dica importante sobre o armazenamento de marmitas é diz respeito a temperatura. Não coloque a refeição ainda quente no congelador. Isso porque a comida pode criar cristais de gelo e isso impacta diretamente na qualidade da comida. E os cuidados permanecem também na hora de descongelar, viu? Embora seja algo simples, o procedimento incorreto pode ocasionar em perda de nutrientes e até mesmo dos próprios alimentos.

Atenção ao transporte da marmita

Se você ainda tem dúvidas quanto ao procedimento de congelamento e transporte da marmita, a nutricionista dá dicas. “Primeiramente, o pote deve ser colocado na geladeira para esfriar, antes de ser levado ao freezer, onde pode ser preservado por até 90 dias. Se houver peixes e frutos do mar, a validade do congelamento é reduzida a 30 dias. O transporte deve ser realizado em bolsa térmica, acrescidos de gelo, e devem ser acondicionados sob refrigeração (geladeira) até o momento do consumo”, pontua Solange Schenfeld.