Frutas e vegetais constituem a base de uma dieta nutritiva, eles contêm vitaminas, minerais, fibras e outros nutrientes. Ambos têm classificação botânica e culinária. Botanicamente as frutas são a estrutura portadora de sementes das plantas com flores, enquanto os vegetais consistem em caules, folhas e outros componentes de plantas comestíveis.

Segundo a nutricionista Adriana Stavro, do ponto de vista culinário, frutas e vegetais são classificados com base no sabor. As frutas geralmente têm sabor doce ou azedo e podem ser utilizadas em sobremesas, lanches ou sucos. Os vegetais têm um sabor mais suave e geralmente são consumidos como acompanhamento ou prato principal.

Neste sentido é fácil conceituar quais alimentos são frutas e quais são considerados vegetais. No entanto, existem diversas plantas que são tecnicamente frutas, embora sejam frequentemente classificadas como vegetais. Os tomates são o exemplo mais conhecido e controverso disso. Outros exemplos comuns de frutas que são confundidas com vegetais incluem o pepino, pimentões, berinjelas, azeitonas, abóboras, vagens de ervilha e quiabo.

Embora haja muitas frutas que são confundidas com vegetais, há poucos vegetais que são considerados frutas. No entanto, algumas variedades de vegetais têm um sabor naturalmente mais doce e são usados de forma semelhante às frutas em sobremesas, tortas e assados. A batata-doce é um deles. Apesar de seu sabor doce, ela é, na verdade, um tipo de raiz vegetal, não uma fruta. Outros vegetais com sabor naturalmente mais doce incluem beterraba e cenoura.

Diferenças de nutrientes

Tubérculos

Existem inúmeras raízes que constituem uma extensa biodiversidade, assim, eles adicionam variedade à alimentação, além de oferecer vários benefícios, como atividades antioxidantes, diminuição da glicemia, hipocolesterolêmicas, antimicrobianas e imunomoduladoras. Vários constituintes bioativos, como compostos fenólicos, saponinas, proteínas, e ácidos fíticos, são responsáveis pelos efeitos observados. Os tubérculos têm imenso potencial como alimentos funcionais e ingredientes nutracêuticos a serem explorados na redução do risco de doenças e no bem-estar geral.

Frutas cítricas

Os componentes bioativos presentes nas frutas cítricas incluem vitamina C, betacaroteno, flavonoides, limonoides, ácido fólico e fibra alimentar.

Vegetais crucíferos

Os vegetais crucíferos ganharam popularidade devido às suas propriedades aparentes de combate ao câncer. Este grande grupo de plantas é diversificado e incluem: rúcula, brócolis, couve de bruxelas, repolho, couve.

Entre os vários vegetais, o brócolis parece estar mais intimamente associado à redução do risco de câncer em órgãos como o colo, pulmão, próstata e mama. Os efeitos foram atribuídos às suas quantidades de glicosinolatos, uma classe de glicosídeos contendo enxofre, e seus produtos de degradação, como os isotiocianatos que os diferenciam de outros vegetais.

Frutas vermelhas

As frutas vermelhas são baixas em calorias e ricas em fibras. Elas contêm antioxidantes, como vit C e E, e micronutrientes, como ácido fólico, cálcio, selênio, betacaroteno e luteína. Os fitoquímicos encontrados incluem os polifenóis, juntamente com altas proporções de flavonoides, incluindo antocianinas. As mais consumidas incluem as amoras, framboesa, mirtilo, morangos, açaí e groselha.

Folhas verdes

A família dos vegetais de folhas verdes escuras, fornece muitos nutrientes, como vit A , C, K, antioxidantes, fibras, folato, magnésio, cálcio, ferro, potássio, luteína e a zeaxantina. A ingestão diária destes vegetais indicam relação inversa entre a degeneração macular relacionada à idade, podem ajudar a reduzir o risco de certos tipos de câncer, particularmente os de mama e pulmão, além de contribuir para a prevenção de doenças cardíacas e derrame.

Colaboração: Adriana Stavro – Nutricionista Mestre pelo Centro Universitário São Camilo