A Páscoa está chegando e, com ela, toda a ansiedade para colocar a mão na massa e confeccionar seus próprios ovos! E, para isso, o primeiro passo é entender qual é o melhor chocolate para garantir que sua receita será irresistível. Assim, seja para se divertir com as crianças ou para garantir um dinheirinho extra com a venda de ovos de Páscoa caseiros, o Guia da Cozinha trouxe uma análise completa de qual tipo de chocolate é o investimento certeiro!

Afinal, qual é o melhor chocolate para fazer ovo de Páscoa?

Na confeitaria, há 3 tipos principais de chocolate, cada um com suas próprias características de preparo, sabor e necessidades de manipulação: o nobre, o fracionado e o hidrogenado. Por isso, é preciso colocar na balança e investigar quais serão seus critérios de escolha. Por exemplo, o que importa mais: o sabor ou o custo?

No geral, todas as diferenças de cada um dos tipos giram em torno da quantidade de gordura vegetal presente em sua composição, o que influencia no gosto, na qualidade, na resistência ao calor e no preço. Olha só:

Fracionado

Nas prateleiras, esse tipo de chocolate também recebe o nome de chocolate cobertura ou mesmo fantasia. Mas, você sabe o porquê disso? É simples: de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), apenas os produtos que contém pelo menos 25% de sua composição de sólidos de cacau podem ser comercializados como “chocolate”. Ou seja, os produtos que não correspondem a essa fração apresentam outro nome, como o fracionado e o hidrogenado.

Nesse sentido, parte de sua composição substitui a manteiga de cacau por outros tipos de gordura vegetal. Graças a isso, o chocolate fracionado é mais barato do que o chocolate puro. Além disso, ele rende mais e não exige o processo de temperagem, então garante mais facilidade na manipulação. Desta forma, é possível obter uma fina casquinha que é perfeita para raspinhas de chocolate e também para banhar bombons e pães de mel.

Em suma, o chocolate fracionado pode ser usado para fazer ovos de Páscoa, mas ainda não é o melhor chocolate em questão de qualidade. De qualquer forma, sua textura é macia e, por conter a fração de óleos vegetais em sua composição, as receitas que o levam são mais resistentes a altas temperaturas e manterão o formato de ovo, mesmo fora da geladeira. Caso seu objetivo seja a venda dos ovos de Páscoa, aposte no chocolate fracionado para baratear os custos de produção e garantir a manutenção do formato durante o transporte e venda.

Hidrogenado

Há também o chocolate hidrogenado. Entretanto, seu custo-benefício não é dos mais atrativos. Apesar de ser o mais barato nas prateleiras, sua composição contém muita gordura hidrogenada, a fim de substituir parcial ou totalmente a fração de cacau original, o que lhe confere uma textura pastosa e um sabor gorduroso.

Por outro lado, é um chocolate macio é muito resistente a altas temperaturas, o que o torna muito útil para decorações nos ovos de Páscoa! Assim, caso o sabor seja sua prioridade, talvez esses pontos positivos não sejam suficientes para classificar o chocolate hidrogenado como o melhor para a confecção dos ovos caseiros para vender. Porém, se você pretende apenas juntar as crianças na cozinha e garantir muita diversão, essa é uma ótima opção, por ser barata e fácil de manipular.

Chocolate puro

Também conhecido como “nobre” ou “chocolate verdadeiro”, este tipo corresponde aos critérios da ANVISA e contém pelo menos 1/4 de sua composição baseada em cacau. Por isso, é mais caro e exige uma experiência maior de manipulação, o que resulta também em melhores ovos de Páscoa!

Com sabor intenso, brilhante e tão cremoso que derrete na boca, o “verdadeiro” é o melhor chocolate para ovos de Páscoa. Este tipo é mais saudável, já que evita a gordura trans presente no hidrogenado e no fracionado. Por outro lado, este tipo de ingrediente exige o processo de temperagem. Você sabe como fazê-la? Confira a seguir:

Como fazer a temperagem do chocolate de um jeito fácil?

“Temperagem” vem do termo “têmpera” que, por sua vez, faz referência ao processo de pré-cristalização do doce. Basicamente, é uma forma de mexer o chocolate e controlar sua temperatura com o intuito de “alinhar” as partículas de gordura presentes e garantir mais brilho, sabor e consistência.

Então, se o chocolate nobre não passa pela têmpera, ele derrete muito facilmente e, quando colocado em forminhas, ficam com um aspecto acinzentado e não mantém o formato a depender da temperatura ambiente.

Mas, atenção: isso vale apenas para o tipo puro, porque o hidrogenado e o fracionado não precisam passar pela temperagem. Caso o chocolate nobre seja destinado a coberturas ou recheio, este processo também pode ser ignorado.

Têmpera no micro-ondas

Há apenas duas regras muito simples: controle da temperatura e paciência para mexer muito! Confira o passo a passo:

  1. Primeiramente, coloque seu chocolate em um recipiente próprio para o micro-ondas e aqueça por 30 segundos.
  2. Em seguida, retire e mexa brevemente.
  3. Repita esta mesma sequência até que fique líquido.
  4. Neste meio tempo, meça a temperatura com um termômetro de cozinha, para que, na última vez que o chocolate for retirado do micro-ondas, sua temperatura esteja entre 40 e 45 graus.